CWC Group Limited
  • Conteúdo multimédia

  • Imagens (6)
    • Os Projectos de Gás em Moçambique entram na Fase de Implementação (1)
    • Os Projectos de Gás em Moçambique entram na Fase de Implementação (2)
    • Os Projectos de Gás em Moçambique entram na Fase de Implementação (3)
    • Os Projectos de Gás em Moçambique entram na Fase de Implementação (4)
    • Os Projectos de Gás em Moçambique entram na Fase de Implementação (5)
    • Os Projectos de Gás em Moçambique entram na Fase de Implementação (6)
  • Ligações (2)
  • Todos (8)
Fonte: CWC Group Limited |

Os Projectos de Gás em Moçambique entram na Fase de Implementação

O Mozambique LNG terá um impacto decisivo nesta nação da África Oriental de 31 milhões de pessoas

Com o forte crescimento da procura de LNG pelo mercado asiático, agora é a hora de Moçambique

MAPUTO, Moçambique, 14 de outubro 2019/APO Group/ --

Com uma segunda Decisão Final de Investimento (FID) em apenas 2 anos, Moçambique posiciona-se como um "key player" no mercado global de gás e LNG nos anos vindouros. O recente FID liderado pela Mozambique LNG, no valor de USD 20 bilhões, é o maior projecto de petróleo e gás aprovado na África subsariana.

Descrito por Sua Excelência o Presidente Nyusi com "um dos mais importantes projectos e de transformação na história do país". O Mozambique LNG terá um impacto decisivo nesta nação da África Oriental de 31 milhões de pessoas. 

Segundo a Wood Mackenzie, a partir do início da década de 2030, as receitas ao estado geradas pelo LNG Mozambique só por si, irão alcançar USD 3 bilhões por ano, duplicando a receita atual, como calculada pelo FMI e Banco Mundial.

E este não é o único mega projecto de LNG em desenvolvimento em Moçambique. Há também o Projecto Rovuma LNG da ExxonMobil, que prevê a instalação de duas unidades de liquefação de gás natural 15 milhões de toneladas por ano (TPA) de gás do bloco offshore da Área 4, o FID. Enquanto isso, a ENI já está a avançar com a sua instalação flutuante de LNG (FLNG) de 3.4 milhões de toneladas por ano (TPA), extraindo do campo de 5 trilhões de pés cúbicos (TCF) de gás localizado águas mais com mais de 2.000 metros de profundidade. O primeiro gás extraído está previsto para meados de 2022.

"Com o forte crescimento da procura de LNG pelo mercado asiático, agora é a hora de Moçambique", disse Jon Lawrence um analista da equipe de Upstream África Sub-Sariana da Wood Mackenzie, quando a notícia do FID da Anadarko veio a público.

Com os FIDs assinados, os projectos estão agora avançar da fase de planeamento para a de implementação. Espera-se que centenas de contratos sejam adjudicados para a infraestrutura e serviços necessários para construir e desenvolver os mega projectos.

Mais recentemente, no passado dia, 8 de Outubro, A Mozambique Rovuma Venture (MRV) operadora da Área 4, decidiu avançar com as actividades do projecto midstream e upstream de mais de US500 milhões, como investimentos iniciais. Estes investimentos incluem actividades como a construção do acampamento pioneiro, continuação das actividades de reassentamento, construção da pista de aterragem e vias de acesso, bem como o início do projecto detalhado de engenharia das instalações de GNL.

Tudo corrobora para este ser o momento ideal para participar na 6ª Cimeira e Exposição de Gás de Moçambique, em parceria com a ENH, que se realiza de 13 a 14 de Novembro, em Maputo. O evento é a plataforma oficial para ouvir as principais os protagonistas chave neste rapidamente emergente mercado-chave de LNG, incluindo figuras-chave do governo, dos que definem as políticas a todos os principais stakeholders dos projecto estarão presentes. Esta edição terá lugar num momento de importantes mudanças, incluindo: a construção do FLNG, o avanço nas atividades de perfuração em Cabo Delgado e Angoche, e o desenvolvimento da infraestrutura na base logística de Pemba. O evento é organizado, em parceria com a ENH, com o apoio do MIREME, INP e stakeholders da indústria, tal como a ExxonMobil, Total Mozambique LNG, TechnipFMC, FNB, Sasol, Baker Hughes, Standard Bank e G4S.

Para obter mais informações, visite: http://bit.ly/31exgr5

Distribuído pela APO Group em nome de CWC Group Limited.

Contacto de imprensa:  
Catalina Zuliani
Gestora Sénior de Marketing
Tel: + 44 20 7978 0049
Email: czuliani@thecwcgroup.com

Sobre ENH:
A Empresa Nacional de Hidrocarbonetos representa o Estado nas operações petrolíferas. É um grupo empresarial com competência para participar em todas as operações petrolíferas e nas respectivas fases das actividades de pesquisa, exploração, produção, refinação, transporte, armazenamento e comercialização de hidrocarbonetos e dos seus derivados, incluindo LNG e GTL dentro e fora do país. Criada em 1981, com sede em Maputo e sucursais em Pemba e Vilankulo, a ENH tem ajustado a sua estrutura empresarial às necessidades da indústria e do mercado nacional e internacional. A actuação da ENH, como um grupo integrado, também se realiza através das parcerias que tem estabelecido, nos últimos anos particularmente, que têm permitido que a actividade principal, o Upstream, com acções focalizadas na pesquisa, desenvolvimento e produção de Petróleo e Gás, concretize os objectivos de aumentar as probabilidades de descobertas na fase de pesquisa e optimizar a recuperação de recursos, na fase de produção.

Ao nível do downstream, a ENH prossegue a cadeia de valores do sector de hidrocarbonetos com o objectivo de diversificar e massificar a utilização de gás em Moçambique.

Sobre a CWC:
Sediada em Londres, o CWC Group (https://www.TheCWCGroup.com/) tem um notável histórico de 22 anos na organização de conferências, exposições e cursos de formação profissional no mundo inteiro e nas áreas de petróleo, gás e infraestrutura. Com relações estabelecidas com mais de 60 dos governos e empresas petrolíferas nacionais (NOCs), o CWC produziu mais de 600 eventos e mais de 400 cursos de formação nas últimas duas décadas. O CWC Group ganhou duas vezes o prestigiado Queen’s Award for Enterprise – International Trade, em reconhecimento da sua continuada contribuição para o comércio internacional. Esta é uma das mais cobiçadas homenagens na indústria do Reino Unido e é concedida pela Rainha por recomendação do Conselho do Primeiro-Ministro.